Hamburger socializado

Shake Shack no verão

Quem conhece Nova York sabe que existe uma disputa sobre qual o melhor Hamburger da cidade. Nada diferente da disputa por quem é a melhor baiana de Acarajé em Salvador, qual o melhor pastel de feira de São Paulo e qual o melhor bolinho de bacalhau do Rio de Janeiro. Tem um lugar dos cotados, que se chama Shake Shack que eu gosto bastante. Muito menos pelo Hamburger em si e mais pela experiência, afinal o Shake Shack é um quiosque no meio de uma praça. Alivia um pouco a sensação de culpa pelas calorias você poder comer o seu Hamburger a céu aberto. Seria bucólico não fosse pelo ataque de esquilos e pombas que sofri hoje. Os animais também estavam interessados em degustar o hamburger e socializar minha comida. Parte do tomate do meu cheeseburger foi furtado por um objeto voador não identificado e tive que me proteger de esquilos com olhar ameaçador que miravam minha batata frita. Eram uma espécie de Tico e Teco possuídos…
Confesso que já tive experiências gastronômicas mais divertidas e menos participativas. Valeu para matar a saudade mas da próxima vez voltarei a procurar ambientes mais tradicionais, mesmo que a culpa pela comida trash aumente.

A aranha e a cigarra

Tenho enormes dificuldades com os espetáculos da Broadway. Respeito as super produções mas confesso que a cantoria dos musicais não é exatamente a coisa que mais gosto. No passado fui até rever Fantasma da Ópera para ver se eu nõo havia entendido ou se eu era chato mesmo. Concluí que eu e o Fantasma tínhamos mesmo incompatibilidade de gênios…
De passagem por NY fui assistir ao mais recente sucesso da Broadway: Homem Aranha. Os motivos para tentar superar meu preconceito foram as relatadas performances acrobáticas do super herói que voa pelo teto de todo o teatro e a trilha sonora feita pelo U2. Meu veredicto é que enquanto o Homem Aranha é aranha, o espetáculo é realmente legal, com voos pelos três pisos do teatro e telões com imagens de alta definição que fazem você pensar que está em um show de uma banda de Rock. O problema é quando a aranha resolve virar cigarra e cantar. Tem pelo menos meia hora de cantoria do personagem Peter Parker para a Marie Jane que são soníferos de primeira qualidade. Vou minimizar e não dar muita ênfase a questão do figurino do vilão Green, que parece ter sido inspirado na Cuca do Sítio do Picapau amarelo (quem assistir concordará comigo !).
Estou atualizado, tenho assunto com todos os brazucas que também estão por aqui mas a missão Broadway do ano,está cumprida, sem perspectivas de repetição futura.

A dura vida de uma mula…

Sempre que alguém que conhecemos vai morar fora do Brasil temos algumas reações meio padronizadas. Se for alguém de quem gostamos, queremos que a pessoa volte logo, que tenha sucesso na sua experiência, sentimos saudades e queremos ir visitar (desde que o sujeito tenha ido morar em algum lugar legal, é claro). A pessoa está longe mas quando reencontramos parece que o tempo não passou e as história da vida são retomadas imediatamente, quase sem rupturas, apesar dos milhares de Km de distância.
Se for alguém por quem não temos muita simpatia, torcemos por invernos gelados com neve e escorregões no gelo, para que a Globo Internacional e o PPV do Campeonato Brasileiro não funcionem, para que os vizinhos sejam cruéis e reclamem de tudo…Não é um sentimento muito bonito, mas enfim, esta é a vida.
Quando além de gostarmos da pessoa,temos intimidade, o próximo passo é transformar a sua casa em um entreposto de entrega de mercadorias. Dizemos que são coisas pequenas, que não incomodam e para sermos educados, perguntamos se ele se incomodaria de trazer na próxima viagem ao Brasil. A criatura fica institucionalizada como uma espécie de FedEx doméstico, ou em português mais coloquial,uma “mula”, trazendo as encomendas da turma e também fazendo favorzinhos na volta, levando coisas para abastecer algum conhecido da comunidade brazuca.
Não é fácil a vida da “mula”…Se for uma “mula” vivendo nos Estados Unidos, sempre que mandamos alguma coisa para a casa do cidadão, ele como punição adicional ainda é adicionado ao mailing de catálogos do fabricante do produto que mandamos entregar. Ou seja, mesmo depois da entrega feita, a nossa “mula” querida, continua conversando com o serviço prestado ao abrir a sua caixa de correspondência. Talvez seja a nossa forma de ficar mais perto e fazer com que a pessoa não esqueça da gente…
PS: Este post não é baseado em fatos reais. É pura ficção

O mítico pão de semolina

Nas últimas semanas tenho viajado bastante por diferentes estradas de São Paulo e é impressionante a velocidade de expansão da Rede Frango Assado. Em qualquer estrada de repente surge um restaurante “Frango Assado” enorme que é garantia de um lugar decente para as crianças entediadas esticarem as pernas e sobretudo utilizarem um banheiro minimamente honesto. Atrás da expansão do Frango Assado está o capital da International Meal Company, que também é dona da rede de restaurantes Viena. Hoje cada loja do “Frango Assado” tem até business point com wi-fi mas não sei o que fizeram com o tal do frango que foi o responsável pelo nome da loja original e que além de enfeitar (ou enfear) a marca da rede, é bem coadjuvante…O frango é negligenciado até nas campanhas de divulgação da rede e claramente perde em importância e apelo popular para o pão de semolina, que originalmente era oferecido para quem abastecesse o carro no complexo Frango Assado.

O ícônico pão de semolina...


O mais interessante é que o tal pão, que na opinião de alguns especialistas (acredito mais na tese de que estavam famintos), é espetacular, se transformou em ferramenta de disputa entre vários restaurantes/postos de estrada. O Graal e o Lago Azul, concorrentes do Frango Assado, também fazem grande alarde em torno do seu pão de semolina. Não tenho a menor idéia de qual seja melhor mas é no mínimo inusitado tentar fidelizar consumidores de postos e restaurantes de estrada através de um pão. A verdade é que o tal pão desperta memórias de infância em um monte de gente e parar para comê-lo significa mais do que matar a fome e esticar as pernas. Já presenciei testemunhais emocionados de um monte de gente sobre o tal pão e confesso que me senti um pouco alienado. Algo similar ao que sinto quando as pessoas comentam do Crô e da Tereza Cristina. Preciso me redimir… pretendo fazer um roteiro gastronômico com degustação do pão de semolina para me iniciar neste mundo…

Vale a pena ver de novo, versão fashion…

Semana passada começou a SPFW, ou São Paulo Fashion Week, evento semestral de moda em que os principais estilistas do Brasil lançam as suas coleções para as próximas estações. Não sou um especialista no assunto mas cada vez que vejo a movimentação em torno da SPFW eu sou tomado por uma sensação muito parecida com a que tenho quando aparecem os desfiles de escola de samba na TV. Ambos tem desfile e passarela ? Sim, mas não é este o ponto..o que para mim aproxima as duas coisas é minha absoluta certeza de já ter visto exatamente a mesma coisa em anos anteriores. Se colocarem um replay do desfile da Salgueiro em 2005 na hora da escola desfilar em 2012, não sei se existirão diferenças substanciais e se as pessoas perceberão… Com estes desfiles de moda tenho percepção parecida…Moda deveria ser inovação, criatividade e até um pouco de transgressão e fantasia. Vejo que são sempre as mesmas Gloria Kalil, Constanza Pascolato, Julia Petit, Lilian Pacce comentando desfiles das mesmas Glória Coelho, Reinaldo Lourenço, Carlos Miele. Se reinventar a cada seis meses e ser forçado a apresentar coisas novas é difícil e admirável, mas tenho a impressão as mudanças são mínimas e difíceis de serem percebidas. Tudo tem cara de meio requentado ou de “já vi em algum lugar”… São sempre os mesmos personagens, no mesmo lugar, utlizando as mesmas modelos andrógenas e esqueléticas, com a mesma trilha sonora e o mesmo agradecimento meio amarelo ao público no final dos desfiles. Será que não dá para combinar inovação das roupas com inovação na forma de se apresentarem as roupas ? Tem alguém que realmente está inventando moda ou é tudo uma grande reprise, um “Vale a Pena ver de novo fashion” ??

Fatos e fotos

Esta semana a Kodak entrou em concordata para tentar escapar da falência. Difícil associar a Kodak ao mundo digital, impossível não lembrar das caixinhas amarelas, com filmes de diferentes poses e diferentes asas. Os únicos felizes devem ser os professores de Harvard que certamente já estão produzindo os seus cases e livros sobre a Kodak, falando dos perigos da arrogância do líder de um segmento não entender que o mundo está mudando e entrar em extinção. Tudo lindo de se dizer, especialmente depois que já passou…Já foi assim com a Olivetti, a Atari e outras mais…Enfim, com a Kodak ou sem a Kodak, as fotografias são uma chance de se perpetuar a história, de se transportar pelo tempo registros e de se entender melhor outras épocas. Esta semana a National Geographic (www.nationalgeographic.com) divulgou novas fotos da expedição do comandante Scott na sua fracassada tentativa de ser o pioneiro na conquista do pólo sul. As fotos tem exatamente 100 anos mas a força e a nitidez das imagens são tão grandes que parecem ter sido publicadas ontem no jornal.Você se sente dentro da expedição e compartilha um pouco de uma das histórias mais incríveis do século passado e que assim como no caso da Kodak, envolveu subestimar o novo mundo, não estar preparado para a mudança. Tudo fácil de falar e difícil de praticar.
Reflexões de administrador a parte, ainda bem que as memórias que as fotos nos trazem persistirão para sempre. As fotos serão bem maiores do que os fatos ! Viva a Kodak e seu legado! Viva Scott e sua fantástica e trágica expedição.

A força da camisa

É difícil para alguém que não acompanha futebol dar algum valor aos uniformes dos times. Para homens aficcionados no entanto, o que é feito com a camisa do seu clube do coração tem valor equivalente ao dedicado pelas mulheres ao escolher o seu traje para uma festa. Existem casos óbvios de rejeição, como a camisa que a seleção brasileira utiliza atualmente e que tem uma faixa verde no peito e se transformou em uma quase unamidade de atentado ao bom gosto. A explicação de que a faixa serve como um escudo para proteger os guerreiros que vão para a batalha piorou ainda mais o negócio e os novos modelos já aposentarão a tarja.

O uniforme da seleção brasileira. Unanimidade de atentado estético.


Em escala menor, foi divertido ver a reação dos torcedores da Portuguesa ao uniforme reserva da equipe apresentado recentemente. A camisa que historicamente sempre foi branca, agora conta com patrocinadores roxos e laranjas (um deles inclusive é um açougue), detalhes vermelhos e verdes, números pretos. Enfim, foi rapidamente qualificada nas redes sociais com elogios como abadá e carro alegórico.

A nova camisa 2 da Portuguesa que despertou a ira dos torcedores


A pequena mas ativa torcida do time se mobilizou para que a Lupo, fabricante dos uniformes, se manifeste e explique como conseguiu fazer uma peça de gosto tão duvidoso.
Em silêncio, o Santos, uma equipe tradicional com o seu branco e preto,anunciou que terá um terceiro uniforme,de cor azul turquesa para fazer referência ao mar da cidade (seria azul turquesa a cor mais adequada ? Santos não me parece ter um mar,digamos assim, caribenho…). Estou esperando para ver, mas o potencial de ser uma catástrofe de dimensões oceânicas é bem grande. Bem mais acertado e envolvente foi o que fez o Banfield,um time de tamanho médio da Argentina. Resolveram fazer uma votação via Facebook para que a torcida eleja os seus uniformes para 2012. Terá a aprovação dos torcedores, venderá mais camisas e todos ficarão felizes. Com paixão da torcida e com a força de uma camisa não se brinca !

As opções para que o torcedor escolha os novos uniformes do Banfield

“Luiza está no Canadá”,”Vada a bordo”. Nada a ver, tudo a ver…


Tudo começou com um comercial de um empreendimento imobiliário veiculado na Paraíba. O “ator” principal é Geraldo Rabello, uma espécie de Amaury Jr. local que foi contratado para discorrer sobre as maravilhas do Boulevard Saint Germain, um apartamento com 4 suítes, sala com 3 ambientes, varanda gourmet e grande área de lazer, perfeito para uma família da alta sociedade. Para dar ainda mais peso ao seu testemunhal, Geraldo, aparece no comercial ao lado da esposa e de dois filhos, e diz que estão todos lá para recomendar o empreendimento, menos a Luiza que está no Canadá. Pronto…Luiza uma adolescente de 17 anos que partiu para um intercâmbio em Agosto, de repente foi levada a condição de celebridade virtual, sem sequer saber o que estava acontecendo. “Menos Luiza que está no Canadá” se transformou em fenômeno brasileiro na internet, com o hashtag #LuizaEstanoCanada virando trend topic no Twitter.
Enquanto isto na Itália, o esculacho que o chefe da capitania dos Portos, Gregorio de Falco, deu no capitão Schettino, responsável por uma das maiores barbeiragens da história, também virou febre.”Vada a bordo,ca**o” explode na internet, com páginas e páginas nas redes sociais de homenagem ao comandante De Falco e o meme (ou bordão, para agradar a todos) é repetido exaustivamente.
Da Paraíba a Livorno, do fútil ao drama, tudo acaba convergindo. Muda a escala da repercussão, muda a origem do fato mas hoje tanto a “Luiza está no Canadá” como o “Vada a Bordo” dominam as conversas . Um não tem nada a ver com o outro, ambos tem tudo a ver.Uma semana atrás eles não existiam e daqui a dez dias serão passado. Luiza voltará ao Brasil, De Falco será homenageado. Ambos serão perseguidos pela mídia. Ambos sumirão. Tão diferentes, tão próximos…

Presente para a comunidade


Não é apenas no Brasil que a construção das arenas esportivas está na moda…A Nike acabou de patrocinar a reforma completa de um ginásio em um grande conjunto habitacional em Nova York. Os moradores das Masaryk towers, um conjunto habitacional composto por 6 torres e mais de 1000 apartamentos no Lower East Side, ganharão de presente da empresa, uma quadra integralmente reformada, com placar eletrônico, novos vestiários e equipamentos de treino. É uma forma da Nike se aproximar da chamada “comunidade”, e também capitalizar em cima desta boa ação.


Durante os próximos 3 meses nada de socialização…A quadra será “private” e funcionará na base do convite, ou seja joga apenas quem a Nike quiser convidar.
Se você for um dos eleitos, marca hora (a quadra funciona 24h) e pode levar mais 19 amigos…Pode ir com as suas roupas mesmo, porque quando chegar lá a Nike se encarrega de te dar uniformes. A partir de abril a quadra passa para o domínio do condomínio e vira um presente definitivo da empresa para a comunidade. O modelo de construção e posterior doação parece ter sido inspirado no Itaquerão, só muda bastante quem está pagando a conta e quem irá usufruir com os amigos. A fonte da notícia é o http://www.boweryboogie.com.

Eike Preguiça

Nas últimas semanas os meios de comunicação foram tomados por reportagens de celebração a fortuna do Eike Batista e sua ambição de se transformar no homem mais rico do mundo. O homem ficou onipresente e onipotente na mídia. Fala sobre qualquer assunto, é bajulado e venerado como a nova face de um Brasil que cresce. Eike construirá um shopping, Eike cria a maior empresa de energia do país, Eike deverá investir no segmento automobilístico,Eike garante que Bruno Senna correrá na Williams e pelo que vi na capa da Veja desta semana, Eike irá fantasiado de Deng Xiaoping aos bailes de carnaval do Rio de Janeiro.

Eike: esta capa é a fantasia para carnaval ?


Se o Eike atingir a sua meta e se transformar no maior bilionário da terra até 2015, a pergunta que eu faço, é o que mudará para o restante da população, exceto para os seus herdeiros e quem sabe para a Luma, que ainda deve ganhar um percentual de sua fortuna ? Nada….O meu interesse no tema é zero e confesso que não me sinto inspirado a ter carros estacionados dentro da minha sala para seguir o padrão estético do novo guru tupiniquim. Fiquei pensando até que ponto vai a vaidade humana e queria propor uma meta mais fácil para o Eike. Que tal lançar o desafio de ser eleito pela Forbes o homem mais vaidoso do mundo ? Acho que a concorrência será menor do que para se transformar no homem mais rico…Se no ranking da riqueza ele está em oitavo,no do ego, ele certamente já é top 5.

Posts anteriores

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Rumo a um bilhão de hits

  • 70.307 hits

Páginas mais populares

Mensagem ao Ursinho Puff
O mítico pão de semolina
Salsinha e coentro
janeiro 2012
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
%d blogueiros gostam disto: