Uma pele que requer nervos e estômago

Semana puxada, stress ? Que tal um cineminha para relaxar na noite de 6f ? Grande idéia. Já que não queremos ter os nossos pescoços sugados pela saga dos vampiros do Crepúsculo, nada mais óbvio do que nos atualizarmos para termos assuntos com os mais antenados e assistirmos “A pele que habito”, o mais novo filme do espanhol Pedro Almodóvar. Os ácaros em profusão da sala de cinema do Shopping Morumbi (fujam!!) já indicavam que a minha perspectiva de relaxamento iria por terra. Comecei o filme tenso, imaginando que em instantes teria uma crise de rinite alérgica. Meu corpo resolveu contribuir e se comportar, mas Almodovar não.

Fazia tempo que eu não saia do cinema com uma sensação de estômago tão embrulhado (estou excluindo “Rio”, “Um zelador animal” e “Carros 2” desta constatação). O filme é bem pesado e mais do que tentar decifrá-lo fiquei pensando que tipo de chá de cogumelos o roteirista tomou para elaborar uma história tão estapafúrdia e complexa. Vou me abster de contar o enredo pois cortaria metade da graça do filme mas para ter uma noção, ele começa com um cientista high tech (representado pelo Antonio Bandeiras e que está parecendo o Júlio Iglesias reloaded) que desenvolve uma pele artificial e no final você constata que está diante de uma mistura de Ivo Pitangui com Maníaco do Parque. O lado bom de tudo isto é perceber que se você resistir firme na poltrona, o filme tem realmente a capacidade de te incomodar e tirar o seu sono. Confesso que no final da noite estava procurando alguma reprise de filme com a Meg Ryan, tipo “Mensagem para você” para adoçar o começo do final de semana.

Algum ator brasileiro te tira de casa para ir ao cinema ?

Acabamos de chegar do cinema onde fomos assistir a um filme chamado “Um conto chinês”, co-produção argentina e espanhola. O filme conta a história de um chinês que se perde pelas ruas de Buenos Aires em busca de seu tio e é acolhido pelo personagem principal do filme, um dono de uma loja de ferragens, rabugento e solitário. O roteiro é ótimo, o filme é bem humorado e consegue ser emocionante sem ser piegas. Isto tudo nós descobrimos depois…

Fomos ao cinema basicamente porque era um filme com o  Ricardo Darin que estrela dez entre dez filmes argentinos e que achamos muito bom. Somos rivais no futebol, temos nossas diferenças com os argentinos, mas temos que reconhecer que em matéria de cinema eles estão na nossa frente. “9 rainhas”, “O pai da noiva”, “O segredo dos seus olhos” são filmaços e todos eles tem um show do Darin. Fiquei pensando se tinha algum ator brasileiro que me tirava de casa para ir ao cinema na base da confiança e concluí que não. Até pensei no Wagner Moura mas por enquanto ele ainda é ator de um personagem só (apesar de ótimo como Capitão Nascimento). Entre o Conto Chinês e os 3 mosqueteiros, não tenham dúvida…contribuam com o Mercosul !

Posts anteriores

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Rumo a um bilhão de hits

  • 62.628 hits

Páginas mais populares

novembro 2018
S T Q Q S S D
« jun    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
%d blogueiros gostam disto: