Ring Ring

bling-ring-1Este final de semana assisti “Bling Ring”, último filme de Sophia Coppola. “Bling Ring” conta a história real de um grupo de adolescentes bem nascidos de Los Angeles, que resolve invadir casas de famosos que estão fora da cidade para surrupiar os seus pertences. Mais do que roubar vestidos e bolsas de Paris HIlton, Megan Fox ou Lindsay Lohan, eles querem se apoderar de seu estilo de vida. A brincadeira lhes rendeu US$ 3 mi. O filme não faz julgamentos, apenas mostra como é sua rotina de baladas, drogas e futilidade subsidiada pelos furtos. Por isto o filme incomoda…todos estão assaltando casas pois estão com fome, só que a fome é de Channel, Louboutin e Champagne…A turminha quer apenas viver como vivem os seus ídolos e mais do que tudo, se exibir para os colegas, compartilhando as suas peripécias em todas as redes sociais. Assistir ao filme sem pertencer a esta geração, é garantia de se sentir um velho. Os valores do grupo são incompreensíveis, a irresponsabilidade e a inconsequência da gang são irritantes e a obsessão por um jeito “VIP” de se viver, cercado por “grifes e points”  parece uma caricatura (mas não é).  O pior de tudo é a sensação de que o crime compensou…Um tempinho de cadeia que alavancou a exposição na mídia, o número de amigos no Facebook e a admiração dos amigos.

Você sai do cinema como se “Bling Ring” disparasse um chamado na sua consciência, uma espécie de “Ring Ring” …o filme gera uma angústia para você reforçar não só os cadeados de sua  casa para que os adolescentes não a invadam (embora eles não pareçam tentados a fazer  isto, afinal você possivelmente não tem pista de dança no porão), mas os cadeados da vida, para que os seus filhos não saiam…Minha conclusão é que para qualquer pai, seria melhor se o filme não fosse inspirado em uma história real.

Você tem sede de que ?

gatorade-showerVocê consegue vencer a preguiça. Coloca a fantasia de esportista e resolve se exercitar. Fica orgulhoso por estar transpirando em função de uma atividade física e não porque o ar condicionado de sua sala não está funcionando. Apesar do cansaço pós-exercício, vem aquela sensação de bem estar e realização pessoal. Possuído pela alma de atleta, sente que é hora de recompor suas vitaminas e sais minerais. Água ? Nem pensar…Você é um homem de marketing e resolve prestigiar os seus colegas marketeiros que criaram a água tingida que supostamente tem estas virtudes e que atende pelo nome de Gatorade. Você sente inveja desta criação: R$ 5,00 por soro caseiro com sabor de frutas…Quem inventou é realmente brilhante…É o exemplo perfeito do “valor agregado”…o tão sonhado produto que possui margens de contribuição desejadas por qualquer capitalista.
Você esquece as reflexões marketeiras e volta para a vida. Suado, tenta matar logo a sede com o seu Gatorade. Primeiro passo, tirar o lacre de plástico que reveste a tampa. Parece gincana do programa do Gugu…Há um serrilhado mínimo, sua mão escorrega e você apela para a dentada. Aproveita que já está com a bota na botija para puxar o bico da embalagem com os dentes. Aleluia…Faz pose para saciar a sede e poder beber logo o seu néctar de atleta mas nada desce…Não pode ser…Será que o bico está entupido ? Não…Tira a rosca da tampa e descobre que há um segundo lacre. Também impossível de ser retirado, merece uma nova dentada. Quase desidratado e revoltado por não ter ido direto ao bebedouro, finalmente você tem acesso ao conteúdo de seu Gatorade. Questão de segurança e qualidade dirão alguns…por isto tantos lacres. Obrigado ! Agradeço mas alguém precisa se lembrar que antes de me livrar de um potencial envenenamento, eu queria apenas matar a sede rapidamente. Não posso gastar mais tempo para abrir uma garrafinha plástica do que fazendo os meus exercícios. Queria mexer os meus músculos e não testar a força de meus dentes. Marketeiros, saiam a campo e ao invés de se dedicarem a criação de sabores exóticos, se esforcem para criar uma embalagem que funcione! Pronto: Arrumei o pretexto que precisava para não fazer mais ginástica…

Abóbora

Hoje é dia das bruxas. Sou tomado por um momento de profunda reflexão para descobrir quem está apoiando a proliferação desta moda no Brasil. Até alguns anos atrás não se falava de Halloween…Hoje observando vitrines durante o mês de outubro  é fácil ver uma profusão de preto, roxo, máscaras de bruxas, vassouras e sobretudo abóboras. Muitas abóboras, com seu sorriso desdentado. Em função disto, minha principal suspeita sobre quem está incentivando o surto do Halloween recai sobre a Associação Brasileira dos Plantadores de Abóbora. Fiquei pensando em uma possível reunião ocorrida há alguns anos em que algum agricultor iluminado, depois de fazer uma extensão universitária com especialização em marketing resolveu convencer os colegas a reposicionar o vegetal no mercado.

– O primeiro passo é renomear o nosso produto…nada de abóbora ou gerimum, daqui para frente seremos plantadores de  “pumpkins”. Como “pumpkin” descolaremos a nossa imagem de parceiros preferenciais de produtos de baixo valor agregado como a carne seca, a farinha e a rapadura…Queremos distância deles…são baratos, tem vendas regionalizadas e limitam o nosso potencial. Precisamos atingir a Emerging Middle Class brasileira ! Temos que ser fashion,descolados…Chamaremos estilistas para decorar as suas “pumpkin” e divulgaremos press releases desta ação com objetivo de cavar um espacinho na Caras. Com uma pequena contribuição monetária de cada um, poderemos também assegurar uma entrevista do presidente de nossa associação no programa do Amaury Jr. … se negociarmos bem podemos até pedir para ele exibir flashes da festa de Halloween em Miami.

Alguns agricultores mais tradicionais ficaram ressabiados…Será ? Isto tem alguma relação com o Brasil ?…Nem comer as abóboras as pessoas vão. Irão deixá-las banguelas e caolhas…Bruxas com fisionomia de gringas ? Nós já temos Curupira,  a Cuca do Sítio do Pica-Pau Amarelo e até  Saci Pererê que metem medo em todo mundo. Junto com as abóboras irão tentar vender também balas e doces ? Mas o dia de Cosme e Damião não é em setembro ?? E a festa da abóbora agora se chamará Halloween ou se for muito difícil de falar, Rélouin ? O que quer dizer isto ?? Este texto é uma obra de ficção, talvez inspirada pelo medo de monstros e zumbis que rondam a noite,  mas foi a única tese  que a minha imaginação conseguir criar para entender a súbita paixão brasileira pelo dia das bruxas e suas abóboras, ou melhor, pumpkins…

Vai para o trono ou não vai ?

Recentemente um conhecido meu esteve no Japão. A idéia original era voltar falando sobre as peripécias de Neymar e companhia e como havia sido bonita a conquista do título mundial de futebol interclubes. Como o tema futebol se transformou em pesadelo, o assunto favorito dele passou a ser as incríveis privadas inteligentes japonesas da marca Toto . Elas levantam a tampa, dão descarga sozinhas, tem bidê embutido,aquecem o assento no inverno, enfim, trazem todas as funções fundamentais que todo mundo busca quando vai ter o seu momento de reflexão. A adoração dele pela Toto foi tão grande que ele garante que um dia irá importar uma para valorizar o seu banheiro. Não me surpreenderia se fosse mais longe e se transformasse em representante exclusivo da marca no Brasil
Estou nos Estados Unidos e não há nada tão high tech como as Toto, mas também me deparei com uma novidade no banheiro,não na privada, mas dentro no box. O chuveiro do meu banheiro é equipado com uma ducha dupla, com duas cabeças e que foi presunçosamente chamada de Heavenly Shower. Juro que estou tentando, banho após banho, perceber alguma vantagem vs. um chuveiro tradicional. Confesso que nada…apenas uma sensação de culpa por aparentemente estar gastando mais água e comprometendo o futuro da humanidade. É um design bem estranho e que parece sem função. Entre as promessas de um banho paradisíaco ou um relaxamento high-tech da Toto estou decidido a privilegiar a segunda. Quem vai para o trono é a Toto !

Vale a pena ver de novo, versão fashion…

Semana passada começou a SPFW, ou São Paulo Fashion Week, evento semestral de moda em que os principais estilistas do Brasil lançam as suas coleções para as próximas estações. Não sou um especialista no assunto mas cada vez que vejo a movimentação em torno da SPFW eu sou tomado por uma sensação muito parecida com a que tenho quando aparecem os desfiles de escola de samba na TV. Ambos tem desfile e passarela ? Sim, mas não é este o ponto..o que para mim aproxima as duas coisas é minha absoluta certeza de já ter visto exatamente a mesma coisa em anos anteriores. Se colocarem um replay do desfile da Salgueiro em 2005 na hora da escola desfilar em 2012, não sei se existirão diferenças substanciais e se as pessoas perceberão… Com estes desfiles de moda tenho percepção parecida…Moda deveria ser inovação, criatividade e até um pouco de transgressão e fantasia. Vejo que são sempre as mesmas Gloria Kalil, Constanza Pascolato, Julia Petit, Lilian Pacce comentando desfiles das mesmas Glória Coelho, Reinaldo Lourenço, Carlos Miele. Se reinventar a cada seis meses e ser forçado a apresentar coisas novas é difícil e admirável, mas tenho a impressão as mudanças são mínimas e difíceis de serem percebidas. Tudo tem cara de meio requentado ou de “já vi em algum lugar”… São sempre os mesmos personagens, no mesmo lugar, utlizando as mesmas modelos andrógenas e esqueléticas, com a mesma trilha sonora e o mesmo agradecimento meio amarelo ao público no final dos desfiles. Será que não dá para combinar inovação das roupas com inovação na forma de se apresentarem as roupas ? Tem alguém que realmente está inventando moda ou é tudo uma grande reprise, um “Vale a Pena ver de novo fashion” ??

Cores podem ter donos ?

Está acontecendo nos Estados Unidos uma discussão interessante sobre se uma marca tem ou não o direito de patentear uma cor. Tudo começou com o lançamento da coleção 2011 de sapatos femininos da Yves Saint Laurent que tinha as suas solas inteiramente vermelhas. A partir daí a confusão dominou…Christian Louboutin alegou que foi o primeiro sapateiro a desenvolver os solados vermelhos em 1992, quando pintou com esmalte a parte debaixo de um dos modelos.

Seus advogados disseram ainda que os seus solados vermelhos estão protegidos por patente desde 2008 e foram exigir na justiça uma indenização de USD 1 MM da YSL além da retirada do produto concorrente do mercado. Resposta da YSL: Rei Luís XIV em 1600 e Dorothy em Mágico de Oz já usavam sapatos de sola vermelha !
Conclusão: em um primeiro round, o juiz deu ganho de causa a YSL e ainda questionou a validade da patente referida por Louboutin. Parece novela Ti,ti,ti com Victor Valentin vs. Jacques Leclair mas ainda não acabou…Louboutin recorreu e sabem quem resolveu se juntar ao processo como parte interessada ? A joalheria Tiffany, temendo que sua famosa caixinha azul vire genérica…Muito bom ! A discussão tem potencial de ficar bem quente…se ainda a Ferrari quiser virar dona do vermelho,a Land Rover do verde, daqui a pouco o arco iris pagara royalties !

O primeiro coquinho (Kokinho ?) catado a gente não esquece

Confesso que nos últimos meses escrever tem consumido uma boa parte do meu tempo e se transformou em um ótimo passatempo. Antes do casamento e durante a lua de mel, via as coisas acontecendo e pensava: isto aqui daria um post. A festa passou, a lua de mel acabou, a Mari já aceitou e agora vamos  ter uma  plantação e  colheita dos coquinhos ou “kokinhos”, menos temáticos. Serão coisas do meu dia a dia, legais, chatas, superficiais, profundas, 10 posts por dia, 10 dias sem posts…

Posts anteriores

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Rumo a um bilhão de hits

  • 66.281 hits

Páginas mais populares

Mostarda mas não falha
Jogo do banquinho
Bolinhos, pique pique e reflexões sobre a data de nascimento
Presentes de natal em tempos de paranóias terroristas
Piu-piu sem Frajola
dezembro 2019
S T Q Q S S D
« jun    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  
%d blogueiros gostam disto: