Viking francês

Talvez sob efeito da insuportável musiquinha “Sou brasileiro, com muito orgulho e com muito amor”  ou entorpecidos pelos infrutíferos debates em relação aos xingamentos dirigidos a primeira mandatária da nação, a turma do Estadão caprichou na legenda para descrever a torcida francesa no jogo contra Honduras. Chamaram Asterix de Viking e garantiram presença na final do campeonato mundial de despreparo jornalístico…

asterixobelix

Sabor de infância

images-2 imagesNeste final de semana estive em uma festa de aniversário. Está certo que rever vários conhecidos foi gostoso e trouxe boas lembranças, mas o grande reencontro do dia foi com um sujeito que eu julgava mais extinto do que os dinossauros: a bala de coco. Junto ao bolo de chocolate, repousavam balinhas brancas que eu não via há décadas. Pensei que fosse uma miragem, mas o sabor daquela mini bomba calórica não deixava nenhuma dúvida. Em que momento da história, as balas de coco, aquelas  embrulhadas em papel crepom colorido e cheias de franjas, foram abandonadas ? Não existia festa de aniversário sem bala de coco…Qual foi o motivo ? Será que alguma promoter engasgou com uma ? Será que contém glutén ?  As “personal party organizers” de hoje em dia mataram um pedaço da minha infância…Trocaram o coitado do coco, elemento de resistência nordestina e ícone da vida tropical, pelos indefectíveis cupcakes . Nada contra, mas eu não quero comer cupcake ! Cupcakes não te propiciam aquela maravilhosa sensação de encher os bolsos malandramente na saída da festa e achar que ninguém está olhando. Isto é algo que as balas de coco sempre me deram (de vez em quando eu também tenho esta sensação  com os bem casados, mas festas de casamento estão escasseando hoje em dia. As pessoas só vão morar juntas e diminuíram o mercado de bem casados)…Estou órfão deste pequeno prazer. Mesmo depois de dois ou três dias , a cada balinha comida, eu tinha a sensação de que a festa não tinha acabado. No próximo protesto que tiver, eu já tenho a minha causa: irei às ruas para defender a bala de coco contra o imperialismo do cupcake !images-1

Oi,oi,oi

Fim de semana no interior . 3 casais. Um marmanjo se manifesta: teremos que jantar mais cedo…a novela está emocionante e não quero perder o capítulo de hoje. Não, ele não falou nada sobre assistir o jogo do Palmeiras brigando para fugir do rebaixamento. Ele queria saber se o Tufão iria finalmente espancar o Max…Desde que o rapaz revelou sua faceta noveleira, estabeleceu-se uma espécie de  pacto velado em que todos os assuntos passariam a orbitar em torno da novela. Me senti no vácuo… Meu repertório noveleiro é próximo de zero. Para mim Sinhozinho Malta, Odorico Paraguassu , Jorge Tadeu e Beto Rockfeller são a mesma pessoa e a Carminha matou a Odete Roitman com o candelabro no hall.

Durante a refeição, que transcorria em ritmo de fast food, com dez olhos vidrados no relógio, fui sendo acuado. Eu tentava falar de música e alguém cantarolava Oi,oi,oi… divagava sobre o Corinthians e o mundial no Japão e o papo acabava no Divino Futebol Clube… fofocava sobre um conhecido que se casou novamente e ele era comparado ao  Cadinho. Até a Tessália, famosa “quem ?” versão 2012, foi trazida para a mesa e descobriu-se que era inquilina na vida real de um membro do grupo. Foi o apogeu…

Poucos minutos depois e lá estavam 5 noveleiros petrificados na frente da TV. O silêncio e a tensão só eram quebrados pelo intervalo comercial e o horário político. De repente surge o Lula na tela. Sim, Lula o ex-presidente e garante que os Taubateanos podem confiar e votar no Isaac, candidato dele, que os trilhos de trem que cortam Taubaté sumirão (O que será que isto quer dizer em termos práticos ???) .  Ficção e realidade se entrelaçando e eu não sabia o quê era o quê . Concluí que era bem possível que o mundo acabasse em 2012. Achei melhor ir dormir…

4 patas e chifres

Os códigos estéticos de um grupo são fascinantes…embora as pessoas  prezem por  sua individualidade, parece que tem um prazer ainda maior em ficar absolutamente iguais entre si e garantir a sua aceitação e reconhecimento entre iguais. São como centenas de ovelhas Dolly, impossíveis de serem diferenciadas entre si. O mais interessante é que por mais variados que sejam os grupos, a relação com os códigos da tribo é igual. Da turma das pontocom, onde todos  se julgam diferentes do resto mundo mas se clonam com barbichinhas e camisetas pretas  a patricinhas com luzes californianas, calças de alfaiataria e camisas brancas, passando pelos adolescentes com suas peças de roupa da Abercrombie. Ah, os adolescentes…com o apoio deles, o alce da Abercrombie se reproduz em ritmo de coelhos nos shopping centers e nas saídas das escolas .

Meninos ostentam o alce com orgulho, em camisetas, pólos e bermudas de todas as cores e estampas. A Abercrombie and Fitch é uma marca que não está no Brasil, mas os jovens dão um jeito…Importam, pedem para pais e amigos trazerem de viagem, compram parcelado, mas sempre conseguem exibir suas Abercrombies. Será que alguns meninos mais conservadores e preconceituosos, ao verem o vídeo que encontrei hoje na internet repensarão se  mantém o orgulho de ostentar as roupas da grife ?

Parece  que o alce se aproximou demais de outro animal com quatro patas e chifres. Entre ficar na moda e ser macho, qual será a aposta da tribo da juventude ?

A distância é maior do que uma ponte aérea

O que você espera quando vai a uma churrascaria ? Comer boa carne, com bom serviço ? Esta sempre foi a minha lógica e parece ser a da maioria das pessoas. Talvez por isto, a churrascaria Fogo de Chão tenha se transformado quase em uma unanimidade entre os carnívoros de São Paulo. Um boi para cada um, no ponto que o cliente desejar e garçons em profusão, orbitando em torno de sua mesa, sempre ágeis e eficientes. A orgia gastronômica não é meu ideal de refeição e é verdade que não precisava do traje de gaúcho dos garçons, afinal o carnaval já acabou e o objetivo de ir lá é comer e não participar de uma festa a fantasia, mas até isto tem seu charme kitsch. Apesar de tudo isto, não dá para discutir a qualidade do restaurante.
Pois bem, ontem fui a um jantar em uma churrascaria no RJ e os locais começaram a discutir entre si sobre qual era a melhor churrascaria da cidade. Havia uns 15 cariocas ao redor de mim e todos votaram no Porcão, apenas com variações sobre qual era a melhor filial: Ipanema, Aterro, Niterói, Barra etc…E mais incrível, todos criticaram bastante a filial carioca do Fogo de Chão, que fica em um lugar espetacular, com vista para a enseada de Botafogo. Sabem quais eram as críticas principais ? Não tem sushi e sashimi e tem pouca variação de carnes não bovinas! Pude entender a mensagem como falta tender com abacaxi, paleta de cordeiro da Nova Zelândia com molho de menta e pintado na brasa levemente puxado em uma redução de maracujás silvestres. Ou seja, tudo o que em SP é qualificado como distração para a degustação da picanha, carne sagrada de uma churrascaria. Vai entender…50 minutos de vôo e consumidores completamente diferentes. Definitivamente há mais do que uma ponte aérea entre SP e RJ. Já havia percebido isto no hábito de se colocar ou não ketchup na pizza, mas sinceramente achava que na avaliação de uma churrascaria a convergência e as preferências seriam maiores.

A torta da vovó é melhor do que apenas uma simples torta.

Esta masterpiece da cultura inútil eu encontrei no http://www.miller-mccune.com e mostra os resultados de uma pesquisa bem interessante para quem dúvida do papel do marketing. Durante 12 dias, em um restaurante da Bretanha na França, os pesquisadores Nicolas Guéguen e Céline Jacob (candidatos fortes ao troféu Ignóbil 2011) compararam o número de pedidos de itens do cardápio em sua forma tradicional vs. os mesmos itens “enfeitados” com uma descrição especial que remetia a memórias afetivas da família. Exemplo: em um dia no cardápio constava salada mista, no dia seguinte o mesmo prato era apresentado como salada mista do tio Jean, o mesmo valeu para a torta de maçã que em dias alternados virava a “deliciosa torta de maçã da vovó”. Os pedidos dos itens com “rótulo” disparavam !O estudo completo foi publicado na revista Food Quality and Preference (confesso que não fui atrás) mas para ser consistente a revista deveria ser rebatizada e passar a se chamar Grandma`s Old-Fashioned Food Quality and Preference Journal.

Revivendo os cartões

Nas últimas viagens que fizemos resolvemos retomar um hábito secular, que parecia definitivamente esquecido nos tempos de e-mails e tweets: enviamos cartões postais a amigos e parentes. As pessoas que recebem estranham um pouco (dependendo da imagem do cartão ficam chocadas…). Parece que não entendem como um cartão pode demorar tanto chegar, ficam desconfiadas de ver um selo colado e uma mensagem escrita a mão com uma letra que por vezes não reconhecem (você já reparou que atualmente não sabemos mais se as pessoas tem letra “bonita” ou “feia” ? Só nos comunicamos em fonte Arial tamanho 10) . A verdade é que a personalização da mensagem virou um ritual gostoso. Compramos os postais e selos, escrevemos, vamos ao correio (sim, ainda existem agências de correio) e esperamos a reação do destinatário…

Estamos pensando em repetir a dose para o natal (logicamente que com muitos carimbos de renas, papai noel e árvores). Será uma forma de resgatar a tradição e confesso, evitar que as caixas de entrada das pessoas travem com e-mails de correntes natalinas de estética questionável. Não faz muitos anos que eu media minha popularidade pelo número de brindes e cestas que eu recebia de fornecedores…quando a verba começou a diminuir e os códigos de conduta das empresas começaram a vetar o recebimento de presentes, cresceu rapidamente a quantidade de cartões Unicef….o tempo passou e de uns anos para cá só tenho recebido via e-mail os power points de alguns gigas que não abro por medo de vírus. Imagino que com todo mundo seja igual. É hora de reviver a tradição. Viva os cartões: postais, de natal e de crédito !

16/10 e o Guinness Book

Quem conhece a família sabe que 16/10 é dia de festa múltipla ! É automático…sempre que comento com alguém que meus pais tem 5 netos e que 4 deles, nascidos em três partos diferentes, fazem aniversário nesta data , primeiro as pessoas não acreditam e depois falam…seus pais vão para o Guinness Book of Records. Pois bem…resolvi pesquisar o Guiness…primeiro para ver se esta categoria existia, qual era o recorde e o que eu precisaria fazer para pleitear este reconhecimento para a família. Não consegui encontrar nada que fizesse referência a este recorde mas aprendi as regras para submissão da categoria “avós com maior número de netos de partos diferentes nascidos na mesma data” . O negócio é sério e trabalhoso. Como meu irmão é responsável por 3 dos 4 que nasceram no dia 16, entendo que o mais correto é ele liderar o processo. Imagino que embora demorada a  análise, temos boas chances. Ele se comprometeu a manter vocês informados da evolução do caso aqui no Catando Kokinhos. Enquanto isto, caso alguém se inspire e veja potencial em outras categorias , seguem as principais regras do Guinness para servir de referência (regras completas em http://member.guinnessworldrecords.com/member/is_it_a_record.aspx).

********************************************************************************

AGE

Record categories which we do not monitor in this area include the following:

  • Youngest or oldest to walk, swim, read, count, etc.
  • Any record which has a minimum age requirement (youngest scuba diver, licensed pilot, etc.).
  • Youngest or oldest variants of existing categories (i.e. longest tongue for a 14 year old), we generally only consider such records when the journeys involved are global in scale (e.g. youngest to climb Mt Everest; youngest to walk to the North/South Pole and claimants are 16 and above).

ANIMALS

We do not accept any claims for the following:

  • Records based on the killing or harming of animals.
  • We do not endorse speed records for travelling over large distances on horseback, because of concerns over the welfare of the animals involved.
  • We have discontinued accepting claims for heaviest or lightest pets.
  • We do not monitor separate categories for different breeds, only absolute records such as ‘longest ever dog’ and ‘oldest cat living’.
  • Endurance records, such as ‘longest time living with snakes’.

ART

  • We do not consider any claims for drawing/painting, other than what might fall within broader records, such as the largest painting in the world.
  • In the case of small origami, artwork or articles (unless working at a microscopic level), quality cannot be objectively proven and it reaches a point where it becomes impossible to judge what is the smallest item in the world for a particular object. We do however study which are the largest objects in the world.

HUMAN BEING

  • We do not accept any claims for beauty as it is not objectively measurable.
  • Fastest, quickest or longest birth is not categories we recognize.
  • Cancer survival – due to the varying types of cancer and degrees of severity they are found at, it is not possible to compare fairly between each individual case.
  • We do not currently recognise ‘gluttony’ records whereby people consume mass amounts of food.
  • We do not accept claims for elbow licking.
  • Due to the medical condition elephantiasis, we do not monitor a category for largest head.
  • We do not longer accept public claims for hunger strikes or fasting.
  • Massage marathons – we cannot visually judge style and form as to be correctly done for a long time.
  • We do not recognize medical records like the most operations in a short time span.
  • We do not accept claims for longest sleep or sleeplessness.
  • We do not accept claims for thinnest people.

LITERATURE/LANGUAGE/PUBLISHING

  • We no longer accept any email or postal based records, such as chain letters or similar variations.
  • With all handwriting related claims, we cannot possibly standardise levels of legibility, neatness etc, therefore we cannot accept claims for smallest handwriting.
  • We do not monitor categories for most generations with the same name.
  • We do not consider claims for longest or shortest poem.
  • We do not accept records that are qualified by subject matter.
  • We do not accept claims for silent reading.

MUSIC

  • With records regarding listening to music or the radio for the longest time there is no way of proving that the participants are actually listening to the music and indeed concentrating on this.
  • We do not consider any claims for longest or shortest song, or most songs written, other than what might ordinarily fall within our broader music records (i.e. most people singing).
  • We are unable to consider claims relating to jam sessions or improvisation as it is impossible to ensure the musical proficiency and quality of such performances.

PLANTS

  • We do not monitor small plant/fruit/vegetable records, mainly because the challenge is to grow the largest. In addition, a seed is arguably the smallest of the variety.

QUALIFIED – UNIQUENESS/UNUSUAL/ORIGINALITY/ONLY

  • ‘Uniqueness, unusual, originality, or luck’ are not objectively quantifiable and cannot therefore form the basis of a world record. It must be remembered that every record we publish is open to be challenged in future, and it must be possible to compare these future challenges objectively and fairly with the current record.
  • We also do not monitor any categories for ‘only’. An “only” is not necessarily, in itself, a record — records have to be breakable, measurable and comparable, e.g. tallest, fastest, heaviest, etc., and tend to have arisen as a result of a great deal of (usually international) interest and competition.

THEME PARK RIDES

  • We only list two records for this category. The first is for the longest continuous ride on any roller coaster that meets certain requirements, and the second is for the longest continuous ride on a Ferris wheel meeting particular requirements.

TRANSPORT

  • We accept cramming records only for small iconic vehicles such as the VW Beetle and the Mini.
  • We do not accept records for car sales as there are too many variables: model, price, location, time of day, the weather.
  • We do not endorse records which involve driving between two points in the least amount of time out of concern for public safety and the legality of encouraging such events.
  • We source all our aviation performance records directly from the FAI. We would therefore suggest that you contact your local FAI-affiliated flying organisation for further information on such records.
  • We must out of necessity select only those which are significant internationally (e.g. trans-continental journeys) or which over time have become the subject of much international competition (e.g. swimming across the English Channel, or sailing across the Atlantic).

O primeiro coquinho (Kokinho ?) catado a gente não esquece

Confesso que nos últimos meses escrever tem consumido uma boa parte do meu tempo e se transformou em um ótimo passatempo. Antes do casamento e durante a lua de mel, via as coisas acontecendo e pensava: isto aqui daria um post. A festa passou, a lua de mel acabou, a Mari já aceitou e agora vamos  ter uma  plantação e  colheita dos coquinhos ou “kokinhos”, menos temáticos. Serão coisas do meu dia a dia, legais, chatas, superficiais, profundas, 10 posts por dia, 10 dias sem posts…

Posts anteriores

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Rumo a um bilhão de hits

  • 65.880 hits

Páginas mais populares

outubro 2019
S T Q Q S S D
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
%d blogueiros gostam disto: