Correntes migratórias

ElectraLá fui eu para mais uma viagem a trabalho partindo de Congonhas. Aeroporto central, de fácil acesso, permite que você ganhe alguns minutos de sono e economize no taxi. Mas o que realmente diferencia Congonhas de todos os aeroportos do mundo, é uma frase que acompanha todos os anúncios de voo: “devido ao reposicionamento de sua aeronave, o seu portão de embarque foi alterado.”

O que está impresso em seu cartão de embarque ou consta do painel informativo, não serve para nada. Ou melhor, serve de referência para você combinar encontros com os seus colegas de empresa que embarcarão na mesma viagem. Isto não é exceção.É regra. A partir dos anúncios,o que se observa são correntes migratórias dentro do aeroporto…Passageiros se deslocando de um portão para o outro como fazem as andorinhas no verão e as baleias jubarte no inverno. Alguns rumam para o piso inferior, outros sobem, outros não entendem nada e ficam parados,incrédulos esperando por uma lógica.O que causa este reposicionamento tão frequente ? Será que os pilotos se comportam como motoristas em um estacionamento de shopping center, procurando vagas próximas dos elevadores ? Estacionam onde querem e geram uma bagunça ou isto é a prova de uma notável desorganização tropical ?

Das nuvens para a sala

As férias estão chegando.Perspectiva de aeroportos lotados, voos atrasados e a retomada daquele sonho reprimido de ter o seu próprio avião, se possível decolando da rua de casa. Seria o fim das  barrinhas de cereais, do meio copo de refrigerante quente, das disputas pelo espaço do bagageiro e da exposição a aeromoças feias e mal humoradas . Enquanto isto não se materializa (na verdade, para colocar as coisas em uma perspectiva mais realista, estou triste pelo fechamento da Webjet ! Isto impacta mais o meu dia a dia…), sou obrigado a literalmente voltar para terra e sofrer com as privações de  um passageiro mortal. Como forma de atenuar a minha frustração enquanto não posso comprar minha própria aeronave, vi que posso pelo menos sonhar com as poltronas do avião. Sim, no site www.boeingstore.com , além de todo tipo de quinquilharia aeronáutica, pode-se comprar poltronas de avião como elementos de decoração para colocar na sala…Por US$ 2450,00 você leva para casa um par de assentos de primeira classe de um Boeing 777 (para comprar um par de assentos da classe econômica de um velho 737, o desembolso é de US$ 1950,00) . É o primeiro passo rumo ao meu avião..é necessário acreditar sempre…Imagino que para alguns outros consumidores as poltronas no mínimo servirão para seus filhinhos brincarem (brincar de casinha está fora de moda) ou para ajudar a materializar (com riscos sensivelmente menores e com maior conforto) alguma fantasia erótica que possam ter …Poltronas Lafer que se cuidem…

Captura de Tela 2012-11-30 às 20.23.39Captura de Tela 2012-11-30 às 20.18.41






assento1

Amendoim ou parafuso

Depois da epopéia da bomba do post anterior, eis que me deparo com um outro fato inusitado na viagem: greve da Lufthansa, a companhia aérea alemã. Como assim ?! Difícil imaginar a cena de aeromoças germânicas piqueteiras, batendo panelas e gritando palavras de ordem pelos terminais mas é isto que me aguarda amanhã. O motivo da greve é um impasse entre o índice de reajuste salarial desejado pelo pessoal de bordo e o oferecido pela Lufthansa. Coisa básica do capitalismo que logicamente tinha que acontecer quando me programo para sair uma semana de férias… É uma greve considerável mas na Alemanha a ordem ainda impera minimamente: o sindicato informará com seis horas de antecedência quais voos serão alvo de ação dos grevistas e possivelmente forçados a serem cancelados. Isto será divulgado em um site e por SMS para todos os passageiros impactados (espero não receber este SMS). A expectativa é que 400 voos (de um total de 1200 feitos pela empresa diariamente) não decolem. Amanhã verei o que me aguarda…mas se tiver que escolher entre greve de pessoal de bordo e dos mecânicos, ainda prefiro voar sem amendoim e barrinhas de cereal do que sem parafuso.

Bebê a bordo

Nada como um agradável voo de algumas horas com uma criancinha se esgoelando para despertar a insatisfação dos demais passageiros. Todos  discretamente lançam olhares fuzilantes para a mãe do rebento. Por vezes além do choro, você recebe de brinde alguns pontapés no seu assento ou um puxão de cabelos vindo do banco de trás.

A doce vingança dos executivos…

Li que a Malaysian Airlines, atendendo a pesquisas com seus “frequent flyers”‘ em sua maioria executivos, resolveu criar zonas child free a bordo de suas aeronaves. Em seus aviões que possuem dois andares, o andar superior agora tem acesso limitado a passageiros maiores de doze anos. Ou seja,  mammys e suas proles se quiserem viajar, tem que ir de classe econômica no andar de baixo do avião. A United Airlines também parece que cansou das traquinagens dos pequenos infantes e acabou com o privilégio de acesso prioritário para famílias  com crianças. Conseguiu gerar um abaixo-assinado de protesto de mães indignadas que colheu 30 mil assinaturas pedindo a reversão da medida. Os sisudos executivos, que sustentam o dia dia das companhias aéreas, estão derrotando as crianças, que continuarão voando e chorando mas em áreas limitadas dos aviões.

Romarinho e eu

Vai começar a partida. Você esta se virando bem. Arruma uma rede wi-fi que parece honesta e que te permitirá assistir  o jogo em seu IPad através do aplicativo da justin.tv. Começou. A imagem congela, você não ve muito bem a partida, acompanha um duelo de sombras brancas  contra azuis, mas é o famoso “bem melhor que nada”. O Paulinho chuta…quase gol…Você se empolga, manda um sms de “quase” para a sua mulher. A resposta é fria : você só viu agora ? Nossa, que delay enorme…Falta compaixão com as condições sub-humanas a que você estava sendo submetido  e ao seu estado emocional. Você torce para que, como sempre acontece, o voo atrase e você possa continuar assistindo. A pontualidade desta vez é total. Última chamada para embarque. Desliga o IPad. Entra no avião…o sinal de seu celular vai embora, não há “banda” para continuar assistindo pela internet. Plano B: liga para casa, transforma sua mulher em seu Galvão Bueno particular. Ela narra o que está acontecendo….ri, fala que o Sheik é engraçado e destaca como o Riquelme envelheceu. Falta foco, mas é companheira e te informa do fim do primeiro tempo. Empate… por enquanto está bom.
O verdadeiro martírio começa: desliguem os seus equipamentos eletrônicos. Você confunde a aeromoça americana com o garçom da pizzaria, que sempre acompanha os jogos e pergunta se ela tem informações sobre como está a partida. Ela faz cara de conteúdo e segue a sua rotina. Surge na telinha um vídeo do presidente da United – ele diz que está investindo mais de US$ 500 mi em tecnologia para que as pessoas sigam conectadas a bordo… aviões com TV e wi-fi. Fanfarrão…esqueceu de colocar  este avião neste pacote. Resta esperar 9:30 horas de voo para saber o desfecho da partida. Você passa a acompanhar o mapinha…Falta pouco para chegar.  Você cria roteiros imaginários, pensando no que ocorreu durante o segundo tempo.  Avião começa a baixar, você marotamente liga o celular. Espertalhão. Se em terra não funciona, vai funcionar voando ? Nada….Pousou.  Você conecta…
Chegam as mensagens: 1×1, com direito a gol de Romarinho, o mito, e bola na trave no  finalzinho. Alívio. Na próxima 4f o drama continua mas pelo menos será vivido em tempo real…

Hello Kitty a bordo

Você se cansou das barrinhas de cereais e do meio copo de refrigerante quente que as aeromoças te servem ? Andar de avião está sem graça ? Parece que a EVA Airways , a companhia aérea de Taiwan, resolveu fazer com que os vôos fiquem mais divertidos. Qual a fórmula ? A EVA acaba de lançar o seu quinto avião temático, baseado na Hello Kitty. Tudo começa no momento da compra da passagem, em um site especial, totalmente ambientado e cor de rosa. A partir daí o passageiro embarca em uma viagem ao mundo de Hello Kitty, da pintura da fuselagem ao cartão de embarque, passando pelo uniforme das aeromoças e pela comida a bordo (sim,nestes voos há comida)  tudo faz referência à personagem. A customização envolveu mais de 100 itens ! Os resultados parecem animadores, a taxa de ocupação dos voos nos Airbus decorados e que tem capacidade para 300 pessoas, está acima de 85% em rotas um pouco distantes de nossa realidade como Taipei-Fukuoka, Taipei-Sapporo e Taipei-Tokio. Não tenho informações sobre o piloto, se ele também viaja fantasiado ou não…mas parece que este fato não interfere na adesão dos  passageiros a idéia.  Que tal adaptarmos o conceito localmente e voarmos no avião do Cascão ? Também seria inesquecível…

 

Cadê minha mala ?

Viagem longa.  A esteira começa a rodar. As malas surgem. Os passageiros retiram sua bagagem  e  seguem para  os seu destinos. A esteira para. Permaneço olhando para o vazio, esperando que um milagre ocorra, minha mala surja e eu também possa prosseguir minha jornada. Entro em fase de negação, não é possível que justo a minha mala não apareça. Por que comigo ? Mais dois minutos de paralisia e a letargia é vencida. A mala não veio mesmo. Hora de procurar o balcão da empresa aérea. A funcionária,com aquele bom humor característico, me faz quase pedir desculpas por ter perdido minha mala e estar dando trabalho. Começa o interrogatório:

-How is your suitcase ? Describe it to me.
Samsonite , black, medium size, 4 wheels
– This is not distinctive ! There are many black bags
Pois é…esta é a realidade do mundo…
– What do you have in the bag ?
– One suit, shirts, paints,underwear…
– This is not distinctive  !
O que ela esperava que eu dissesse ? Que eu tinha uma fantasia de Homem Aranha ?
Tento argumentar que de fato existem milhares de Samsonites pretas, com um terno, camisas, calças e cuecas mas que aquela era minha realidade. Argumento que o melhor jeito de reconhecer a dita cuja é mesmo pelo comprovante de bagagem. Contrariada, a general parece concordar e procura pela mala em seu sistema.
Vou embora para o hotel e depois de pouco tempo  a eficiência americana finalmente aparece. Uma chuva de e-mails seguidos da cia aérea pedindo desculpas  e me direcionando para o www.whereismysuitcase.com (sim,isto existe), onde fui informado que a mala havia sido encontrada, quem era o motorista que a traria e finalmente confirmando o horário e para quem a mala foi entregue.  Reencontrei a minha Samsonite preta intacta depois de algumas horas. Dá um alívio…

Internet nas nuvens

Uma potencial vizinha de voo

Viajar de avião é sempre uma grande surpresa. Quem será o passageiro que se sentará ao seu lado ? No meu caso, o meu processo de mapeamento e angústia começa na sala de embarque. Podem haver 200-300 passageiros para embarcar mas se houver uma freira, uma pessoa com obesidade mórbida ou um cidadão com visual de “Woodstock não terminou”, a estatística indica que em breve sentaremos lado a lado. É inevitável…Ontem não foi diferente e meu companheiro de fileira era uma versão reloaded do Kurt Cobain.

Para a minha alegria no entanto,  fiz o meu primeiro vôo em que realmente consegui usar a internet do começo ao fim.  Paguei US$ 10,00 por isto mas consegui fazer as minhas coisas e abstrair das músicas que vazavam pelo fone de ouvido do meu vizinho.

O avião tem que ter uma configuração especial , com wi-fi a bordo, mas depois  você simplesmente conecta o www.gogoair.com, se cadastra e paga com cartão de crédito. Se comprar o plano ainda em terra, tem desconto (o difícil é saber se a sua aeronave terá wi-fi). Assim que o voo atinge a altitude de cruzeiro, o sinal é liberado.  A velocidade de navegação é honesta , ainda mais para quem está habituado com o TIM 3G. A verdade é que o desconforto passou a ser outro…quando o Kurt viu que eu estava conectado, passou a pescoçar  no que eu estava fazendo. De qualquer maneira, adorei a experiência. O dinheiro foi bem gasto, não apenas para me livrar do vizinho chato mas para me entreter e ficar conectado com o mundo.

Peça pelo número

Várias pessoas falam que jamais poderiam ser médicos por lidarem com a morte e verem sangue. Outros dizem que ser advogado é uma profissão inimaginável  pelo seu linguajar rococó e pelos prazos enormes para que as coisas se decidam. Hoje, durante um voo concluí que mesmo que eu fosse ultra bem remunerado, jamais seria um “aeromoço”. Falar pelo menos umas 50 vezes por voo: o que o sr. desejaria para beber ? Prefere carne ou frango ? Seria uma tortura muito grande. Sempre ouço que eles conhecem o mundo mas para cada aeromoço que voa para Paris imagino que exista meia dúzia voando para alguns cafundós menos charmosos. Pela vocação de servir, sempre comparo o trabalho de um aeromoço com o de um garçom, mas acabo de concluir que o garçom interage mais com seu cliente, que pode ao menos escolher entre itens diferentes do cardápio.  Ou seja, tem alguma surpresa, tem variação. Aeromoço acaba sendo quase atendente do McDonalds…o passageiro tem que pedir pelo número.  No Mc, o cara ainda dá troco e o ambiente de trabalho não chacoalha e nem corre o risco de cair. Deve ser mais divertido…

Histórias de avião

Eu pensava que já tinha passado por quase tudo em minha vida como passageiro de avião. Já tive mala perdida, avião arremetendo, voo cancelado, voo perdido, overbooking, upgrade e a cereja do bolo que adoro contar em mesas de bar: abandonei um avião em evacuação de emergência, com direito a descida de escorregador e corrida pela pista com medo de explosão. Esta semana ganhei mais uma história…tudo começou quando em função do voo lotado, fomos remanejados para a classe executiva da TAM de Manaus para Guarulhos (nota para aficcionados: a TAM utiliza um A330 nesta rota, por isto existe a classe executiva). As crianças já martelavam todos os botões disponíveis, fascinados com a perspectiva de voarem quase na horizontal, pulando, jogando e assistindo Harry Potter ao mesmo tempo. Eis que um passageiro resolveu se indignar com os upgrades dados a nós e a outros passageiros. Dizia que havia pago R$ 1342,00 (falou tanto com o pessoal da tripulação que memorizei o número) para voar naquela classe e que aquilo era injusto, pois os outros estavam ganhando aquilo de graça. Esbravejou, levantou, bufou com um comissário, esperneou com duas aeromoças e finalmente retornou ao seu assento. Para mim o desabafo estava concluído e em breve partiríamos.
Passam-se 10 minutos e dois agentes da polícia federal, a pedido do comandante, entram no avião para retirar o reclamão. Ele até tentou dizer que não era bem assim, apelou para o “deixa disso”, disse que tinha sido mal compreendido, que estava apenas reclamando dos seus direitos e por fim tentou o nobre golpe da carteirada, dizendo que era o projetista da nova ponte de Manaus (realmente não me pareceu um grande argumento mas que ele tentou, tentou).

Até a nova ponte sobre o Amazonas foi citada na tentativa do cidadão ficar a bordo


Não teve conversa. Expulsão sumária do avião por destrato a tripulação e meia hora de atraso…Nem reclamei…voei com mais espaço, assisti a cena toda de camarote e ganhei uma nova história de avião para a coleção.

Posts anteriores

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Rumo a um bilhão de hits

  • 65.880 hits

Páginas mais populares

outubro 2019
S T Q Q S S D
« jun    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
%d blogueiros gostam disto: