Internet nas nuvens

Uma potencial vizinha de voo

Viajar de avião é sempre uma grande surpresa. Quem será o passageiro que se sentará ao seu lado ? No meu caso, o meu processo de mapeamento e angústia começa na sala de embarque. Podem haver 200-300 passageiros para embarcar mas se houver uma freira, uma pessoa com obesidade mórbida ou um cidadão com visual de “Woodstock não terminou”, a estatística indica que em breve sentaremos lado a lado. É inevitável…Ontem não foi diferente e meu companheiro de fileira era uma versão reloaded do Kurt Cobain.

Para a minha alegria no entanto,  fiz o meu primeiro vôo em que realmente consegui usar a internet do começo ao fim.  Paguei US$ 10,00 por isto mas consegui fazer as minhas coisas e abstrair das músicas que vazavam pelo fone de ouvido do meu vizinho.

O avião tem que ter uma configuração especial , com wi-fi a bordo, mas depois  você simplesmente conecta o www.gogoair.com, se cadastra e paga com cartão de crédito. Se comprar o plano ainda em terra, tem desconto (o difícil é saber se a sua aeronave terá wi-fi). Assim que o voo atinge a altitude de cruzeiro, o sinal é liberado.  A velocidade de navegação é honesta , ainda mais para quem está habituado com o TIM 3G. A verdade é que o desconforto passou a ser outro…quando o Kurt viu que eu estava conectado, passou a pescoçar  no que eu estava fazendo. De qualquer maneira, adorei a experiência. O dinheiro foi bem gasto, não apenas para me livrar do vizinho chato mas para me entreter e ficar conectado com o mundo.

Sorvete Napolitano

Durante um almoço em família  me reencontrei com um clássico da minha infância, o sorvete napolitano. Para quem não sabe, o sorvete napolitano vem em um pote, daqueles de 2 litros, com três sabores: creme, chocolate e morango. A dinâmica de consumo parece que  se manteve intacta nos últimos trinta anos….todas as crianças continuam se servindo gulosamente dos sabores creme e chocolate e o sorvete de morango sobrando, abandonado como um patinho feio do mundo dos gelados.

Como adulto consciente, preocupado com o desequilíbrio social e vendo o preconceito imperar naquela mesa, resolvi intervir. Sorrateiramente, enquanto distraía as crianças, passei a colocar nas suas taças, uma bolinha de sorvete de morango, camuflada, cercada por sorvete de creme e chocolate. Acreditava que estaria contribuindo com o bem estar da sociedade ao agir, ainda que veladamente, a favor da diversidade. Rapidamente porém, o meu plano de dar vazão ao estoque de morango e desacelerar o consumo dos outros sabores, se mostrou infrutífero. As crianças identificaram a trapaça e rejeitaram ainda mais o coitado do sorvete de morango. Por alguns instantes procurei ser solidário ao sabor morango…ele deve se sentir mais ou menos como a irmã da Gisele Bunchen. Todos dizem que é parte da família, que o Napolitano não existiria sem ele, mas na hora do vamos ver, as preferências aparecem e o coitado vai pouco a pouco se derretendo, envergonhado e abandonado, com uma baixíssima auto-estima. Para recuperá-lo estou pensando em expor os meus filhos a um pote de sorvete de Passas ao Rum…aí sim, eles verão que a discriminação contra o sorvete de morango é descabida e que existe coisa bem pior no mundo.

Posts anteriores

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Rumo a um bilhão de hits

  • 70.331 hits

Páginas mais populares

As últimas campanhas da Coca Cola continuam com gás ?
Mensagem ao Ursinho Puff
O mítico pão de semolina
DNA para vira-latas
junho 2012
S T Q Q S S D
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  
%d blogueiros gostam disto: