Será que não entendi ?

Chegou minha hora de assistir o filme iraniano “A Separação”. Falaram tanto do filme na temporada do Oscar que eu fui ao cinema com a certeza que depois da Bollywood indiana, certamente deveria haver uma Teerãwood que eu desconhecia e que o meu mundo seria transformado depois de duas horas. Críticas apaixonadas falavam de melhor filme do ano, que ganhar Oscar de melhor filme estrangeiro e Urso de Ouro no Festival de Berlim eram pouco, que o roteiro era espetacular e que os atores eram estupendos.
Confesso que saí do cinema com aquela desagradável sensação de “será que fui eu que não entendi ou não é tudo isto ?”. Esta sensação é horrível…Você se sente intelectualmente limitado, uma espécie de Magda, aquela do Sai de Baixo, versão século XXI.

O filme conta a história do casal Nader e Simin. Simin (a mulher…) quer deixar o Irã para dar melhores oportunidades a sua filha, Termeh. Nader (o homem…), no entanto, quer continuar no país para cuidar de seu pai, doente com Alzheimer. Se separaram. Sem esposa, Nader contrata uma empregada para ser responsável pelo dia a dia da casa e sobretudo cuidar de seu pai. A auxiliar do lar contratada está grávida e trabalhando na casa de um homem “solteiro”, sem o consentimento de seu marido, o que em conjunto com um acidente doméstico, cria uma salada, em que todos os personagens passam por questionamentos e julgamentos éticos, religiosos e morais.
O filme é bom e merece ser assistido. Permite que o espectador entenda um pouco mais sobre o papel que a religião tem sobre a cultura de um povo, sobre como alguns valores ocidentais não são aplicáveis em outras partes do mundo e pressiona o público a constantemente mudar de lado em seus julgamentos pré-concebidos. Os atores também atuam bem e realmente dão vida e intensidade aos personagens…Em momentos mais engajados e baseado em meu vasto conhecimento sobre xás, aiatolás e ditadores persas, ainda pude enxergar força em mensagens subliminares de protestos contra a repressão aos direitos humanos e defesa de liberdades individuais mas confesso que parei por aí. O final do filme, que na realidade não tem final, potencializou meu lado “ué, acho que não entendi….” e reforçou a minha sensação de que há um grande componente político de se fazer esta ovação coletiva a “A Separação”. Como bandeira de libertação cultural de um país, digamos assim, complicado, o filme merece todo o reconhecimento e consideração, mas como cinema, puro e simples, tenho a impressão que já assisti uns duzentos e trinta e quatro filmes melhores que a “A Separação”. Entendo que faltou por parte da crítica fazer a verdadeira separação entre o que é política e o que é obra de arte ou faltou para mim , justamente o contrário: a consolidação dos meus dois neurônios para conseguir entender melhor o cinema iraniano.

Posts anteriores

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Rumo a um bilhão de hits

  • 68.516 hits

Páginas mais populares

Jogo do banquinho
O Brasil e seus patrimônios imateriais
O verdadeiro grito
A lei do Bauru
março 2012
S T Q Q S S D
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
%d blogueiros gostam disto: