Se eu fosse um marinheiro

Minha relação com o mar sempre foi de respeito e uma certa distância. Acredito muito no lema que diz que “água no umbigo é sinal de perigo” e gosto mais de olhar para o horizonte  do que  vivenciar aventuras submarinas ou sofrer com enjoos que insistem em aparecer em passeios de barco. Confesso  também que nem a praia se salva e tenho uma leve predileção por piscinas azulejadas, livres dos grãos de areia, que sempre  se escondem em rincões remotos do seu corpo por dias a fio. Ainda assim, desde pequeno achei as histórias dos navegadores absolutamente fascinantes. Começando com os descobridores do passado que se aventuravam em caixotes flutuantes, até a turma de  hoje em dia, que embarca em seus veleiros para cruzar os oceanos sem ter data para voltar.  Existe um espírito de desprendimento (não estou falando do iate de R$ 15 mi do Neymar) , companheirismo e uma integração com a natureza que me cativam.

Minha paixão pelas histórias do mar cresceu um pouco mais ao saber do  naufrágio do barco brasileiro “Mar sem fim” , que estava em uma expedição na Antártica . O “Mar sem fim”  acabou afundando,  retorcido pelo gelo que se acumulou ao seu redor depois de ter brigado com ondas gigantes e vendavais. O relato dos tripulantes descrevendo a luta do barco pela sobrevivência é emocionante e  não dá para ler e não sofrer junto com eles , especialmente quando descobrem que o “Marzão”, como o chamavam, não resistiu.  Me deu uma vontade enorme de  reler  “Velho e o Mar” , “Moby Dick” e  as histórias do Endurance de  Shackleton…Conclui que muito mais do que  do mar, gosto da maneira como  os “marinheiros” o respeitam e o admiram.

Posts anteriores

Enter your email address to follow this blog and receive notifications of new posts by email.

Rumo a um bilhão de hits

  • 37,997 hits

Páginas mais populares

abril 2012
S T Q Q S S D
« mar   mai »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  
%d blogueiros gostam disto: